domingo, 14 de dezembro de 2008

AS ASSEMBLÉIAS DE DEUS E ROMA



AS ASSEMBLÉIAS DE DEUS E ROMA

Por David Cloud

As "Assembléias de Deus" foram fundadas em 1914, surgida da primeira onda do movimento pentecostal que explodiu no começo do século passado. Elas tiveram um crescimento fenomenal, de 300 membros por ocasião de sua fundação para uma membresia de aproximadamente 12 milhões espalhadas pelo mundo em mais de 10.500 congregações hoje.

Embora resistentes ao ecumenismo nos seus primeiros anos, as Assembléias de Deus tem sido ativas de forma até radical em favor desse movimento durante as últimas décadas.

De fato, Ray Bullard, o líder carismático responsável pela primeira experiência com os católicos, é um membro de uma Assembléia de Deus em South Bend, Indiana.


Recentemente, Thomas Zimmerman, que deixou a superintendência geral das Assembléias de Deus, deu as mãos com clérigos católicos. Ele foi um homem chave envolvido na conferência de Kansas City de 1977, e esteve na mesma plataforma com o cardeal católico Joseph Suenens, desse modo fingindo a todos que este lobo em pele de cordeiro fosse um genuíno homem de Deus.

Estima-se que 22,500 católicos tenham participado desse encontro em Kansas City.


Zimmerman juntou-se com católicos em muitos outros encontros e projetos ecumênicos, incluindo o "Key 73", o festival americano de evangelismo, e o "Washington for Jesus". Zimmerman esteve entre os 28 líderes cristãos que se encontraram com o Papa João Paulo II por ocasião de sua visita aos EUA em 1987.


A dramática mudança nas Assembléias de Deus em suas relações ecumênicas é vista em seu tratamento por David du Plessis, o "Senhor Pentoscoste". Du Plessis, foi um dos que mais estiveram na vanguarda do desenvolvimento de relações entre os pentecostais e o vaticano.
Ele foi o único pentecostal convidado para participar do concílio vaticano II nos anos 60.



Por causa dessas atividades ecumênicas radicais, du Plessis perdeu suas credencias de ministro
das Assembléias de Deus em 1962. Porém em 1980 suas credenciais foram restabelecidas após ele comparecer diante de um comitê montado por Zimmerman e o corpo executivo de presbíteros das Assembléias de Deus. Roma não mudou nessas últimas décadas, mas os pentecostais de primeira linha certamente sim.